Acabei de regressar da Food and Nutrition Conference and Expo, um dos maiores encontros de especialistas em alimentação e nutrição. Mais de 10,000 dietistas, nutricionistas, investigadores de ciência de nutrição, legisladores, profissionais de saúde e líderes do setor juntaram-se neste encontro anual, para discutir os temas chave que afetam a saúde dos americanos. Durante uma das minhas entrevistas com os média, perguntaram-me o que pensava da moda da alimentação intuitiva.

A premissa da alimentação intuitiva é a de que a preocupação com a dieta pode levar a uma imagem negativa do corpo e perda de peso no curto prazo, mas que no longo prazo resulta em frustração e aumento de peso. O padrão recomeça com outra dieta, e por aí em diante. A alimentação intuitiva é uma abordagem de corpo e mente que envolve ouvir o que o corpo pede e ter a capacidade para comer quando se está com fome e parar quando se está cheio. A comida deve saber bem e fazer com que te sintas bem, e as refeições agradáveis e cuidadas, enquanto aprendes a respeitar os sinais de fome do teu organismo. O foco da alimentação intuitiva não está na perda de peso, mas em honrar a saúde física e mental. Parece simples; comer quando se está com fome e parar quando se está saciado. Mas se fosse assim tão fácil, não estaríamos a verificar a crise de obesidade atual nos EUA. Até certo ponto, toda a gente nasceu com a capacidade de comer intuitivamente. Os bebés comem quando estão com fome e param quando estão cheios. Os nossos antepassados tinham de caçar e coletar a sua própria alimentação, por isso comiam quando podiam, sem ter a opção de exagerar no consumo de alimentos devido à escassez de mantimentos.

Entretanto, destruímos o nosso metabolismo e as dicas naturais de fome devido à disponibilidade constante de comida em todo o lado, por isso perdemos a capacidade de comer intuitivamente. Comemos quando estamos aborrecidos, stressados, chateados e sim, quando estamos com fome. Mas também não sabemos quando deixar de comer. Se fossemos uma população mais saudável, a alimentação intuitiva poderia funcionar. Antes de te lançares na prática de alimentação intuitiva, precisas das ferramentas certas para assegurar que o teu metabolismo está numa forma saudável através da gestão de hidratos de carbono e controlo natural das porções. Se os níveis de açúcar no sangue estão baixos, adivinha o que o corpo vai querer comer “intuitivamente”? Açúcar! Uma dieta baixa em hidratos de carbono ajuda-te a regular os níveis de açúcar no sangue, afasta os desejos por alimentos ricos em açúcar e hidratos de carbono e controla o teu apetite, tornando possível escutar as dicas de fome do teu organismo enquanto comes uma variedade de alimentos que te deixam satisfeito. Mantem-te com a Atkins, e serás capaz de te tornar num comedor intuitivo!

 Blog escrito por: Colette Heimowitz (nutricionista internacional na Atkins)

image
Publicado por Linda O'Byrne
Atkins Nutritionist